quarta-feira, 27 de abril de 2016

Opinião: "Obsessão Mortífera" - José Vidas

Título: Obsessão Mortífera
Autor: José Vidas
Editora: Capital Books
ISBN: 9781519618801
Páginas: 138
Sinopse: O desemprego e as dificuldades de reinserção profissional dos toxicodependentes são o pano de fundo deste novo romance de José Vidas. Rodrigo é um estudante de jornalismo que consegue o maior furo da sua vida profissional quando filma o suicídio de um casal de ex-toxicodependentes, deprimidos pela rejeição de que são vítimas quando pretendem reingressar no mundo laboral. O martírio destes jovens transforma Rodrigo num repórter justiceiro, que luta por um país socialmente mais justo e equilibrado. Depois de assassinado por um inspetor da Polícia Judiciária, é a sua viúva Teresa que suportará o seu difícil legado. E quando esta reencontra um sentido para a sua vida, a sombra do repórter justiceiro volta a atacar... 

Opinião (contém spoilers):
Este é o primeiro trabalho que leio do autor José Vidas e, por isso, não tenho ponto de comparação, mas a verdade é que fiquei algo dececionada com a obra "Obsessão Mortífera".

O livro começa por narrar a história de Rodrigo, um jornalista que começa a subir na carreira desde cedo e que começa um novo projeto que lhe trará visibilidade. Este projeto consistia em filmar indivíduos que teriam acabado de sair da CRETA, uma clínica dedicada ao tratamento de indivíduos com comportamentos aditivos. No entanto, devido a acontecimentos inesperados, a vida de Rodrigo toma um novo rumo que o torna diferente. A todo o custo, Teresa - a sua companheira, tenta impedir Rodrigo de cair no abismo.

Devido às obsessões constantes de Rodrigo, Teresa acaba por cair no mesmo rumo do companheiro. Com a morte inesperada deste, ela acaba por ver a sua vida desmoronar-se e sem conseguir fazer nada para o impedir. Esta também acaba envolvida no mundo das dependências que, mais tarde, lhe trará um novo amor.

Apesar de o conceito da história estar bem delineado e estruturado, acho que a história se desenrolou demasiado depressa. Em apenas cerca de cinco capítulos, o autor contou uma história demasiado complexa que acabou por perder intensidade. Ou seja, a partir de certo ponto, senti que todos os acontecimentos estavam a decorrer de forma a que não houvesse tempo para serem devidamente desenvolvidos e, por isso, fiquei sem perceber muito bem a moral da história.

Em suma, é um enredo que, de início, me cativou à sua leitura, mas que foi perdendo intensidade e seriedade à medida que a história avançava.

Rating: 2/5

Leitura com o apoio:

Sem comentários:

Enviar um comentário