terça-feira, 28 de julho de 2015

Opinião: "O Perfume - História de um Assassino" - Patrick Süskind

Título: O Perfume - História de um Assassino
Autor: Patrick Süskind
Editora: Editorial Presença
ISBN: 9789722314480
Páginas: 273
Sinopse: Esta estranha história passa-se no século XVIII e há todo um extraordinário trabalho de reconstituição histórica, não só da época e das mentalidades como do ofício de perfumista, que então era particularmente valorizado e que estava a cargo de artesãos especializados. O autor conduz o leitor de página em ágina, de odor, em odor, de perfume em perfume, enebriando-o, arrebatando-o nessa alquímica busca do Absoluto que é a do seu personagem: a busca do perfume ideal, isto é, a forma suprema da Beleza. Nesta busca nada deterá Jean-Baptiste Grenouille - que nascera no meio dos mais nauseabundos fedores, numa banca de peixe -, nem mesmo os crimes mais hediondos. Este personagem possui no entanto algo de extremamente inquietante, a sua própria incorrupta pureza.

Opinião (contém spoilers):
Apesar de um clássico da literatura mundial, de ter ouvido muito boas críticas acerca deste e de ser algo diferente dos outros, não me cativou da forma que esperava. Tal motivo pode dever-se: à forma como o autor escreve, à velocidade com que a história é contada ou à falta de ligação que estabeleci com as personagens. Talvez devido à falta de diálogos ou ao excesso de descrições.

O livro conta a história de Jean-Baptiste Grenouille, um artesão com especialidade no campo da perfumaria, que tem como objetivo criar/encontrar o perfume supremo. Para o atingir, nada o detém; nem mesmo o facto de ter de assassinar jovens mulheres. Ao longo dos capítulos, o autor descreve uma panóplia alargada de odores e cheiros, levando o leitor a envolver-se na história, pelo menos aqueles que preferem livros mais descritivos.

Apesar da originalidade da narrativa e da "dança" entre as cenas mais brutais e as mais delicadas, não foi um livro que me cativasse de tal forma que quisesse lê-lo de um dia para o outro. É certo que nem toda a gente gosta dos clássicos, mas a escassez de diálogos, as descrições dos cheiros/odores em demasia e a falta de desenvolvimento de certas personagens foram razões pelas quais não dou uma pontuação mais elevada ao livro.

Contudo, se o leitor gosta de clássicos e, ao mesmo tempo, gosta de uma narrativa bastante descritiva, tenho a certeza de que será tempo bem gasto ler este livro.


Rating: 3/5

Sem comentários:

Enviar um comentário